Homilia – III Domingo do Tempo Comum – ano A

Livro do Profeta Isaías 9.1-4

AntífonaO Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei? (Sl 27.1)

Salmo 27.1, 4-9.

I Epístola de São Paulo aos Coríntios 1.10-18.

Aclamação do EvangelhoPercorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo. (Mt 4.23)

Evangelho s. São Mateus 4.12-23.

Na lição do evangelho de hoje, vemos Jesus manifestando-se a um povo a um povo que estava em trevas. A esperança prometida a esse território excluído e desprezado pelo homens havia chegado. Os últimos dias do qual falou o profeta Isaías haviam chegado, como o Cristo proclamava ao povo, estava próximo o Reino de Deus.

Jesus inicia o chamado de seus discípulos nessa terra, indo de encontro e manifestando-se a homens simples, pescadores. A proposta de Jesus para esses homens simples era de certa forma estranha. Tornar-se pescadores de homens. O que seria isso? Os irmãos não discutiram a proposta de Cristo, mas obedecendo ao chamado, foram e confiaram no Senhor. De semelhante modo passou por João e Tiago, que também o seguiram sem pestanejar.

A laboriosa atividade da pesca nos tempos de Jesus, como ainda é em muitos lugares pelo mundo, exigia força e causava desgaste. Se lançar redes ao mar é difícil, quanto mais lançá-las aos homens? A diferença das duas tarefas, é que a força necessária para pescar os homens vem do Espírito Santo de Deus. Tiago e João não precisariam mais se preocupar em consertar as redes, mas em confiar no Espírito de Deus, que daria a eles toda a força necessária e autoridade para que a pesca de homens fosse como a Pesca Maravilhosa.

Somos chamados a ser pescadores de homens. Uns por meio do ministério da Palavra, outros por meio de suas funções profissionais, chamados para ser professores de homens, médicos de homens, auxiliares de homens e em tudo o que fizerem brilhar a luz como o Cristo brilhou em Zebulom e Naftali, a Galileia dos Gentios.

Servir a Cristo é um ministério integral, um chamado perpétuo para o verdadeiro Cristão, ou seja aquele que como Cristo se manifesta aos homens capacitando-os a servir o Reino de Deus.

William de Almeida Santos

Homilia vem do grego e significa “conversa de pai para filho”, na igreja primitiva constituía-se em um pequeno sermão de caráter explicativo, exortativo e exegético, explicando as escrituras de forma curta e objetiva. Era o momento em que o ministro se aproximava da congregação e os instruía, como um pai faz ao filho.

Anúncios

André Apóstolo

Livro do Profeta Ezequiel 3.16-21
Salmo 19.1-6
Epístola de São Paulo aos Romanos 10.9-18
Evangelho s. São João 1.35-42

O primeiro a crer em Jesus, como nos relata o Evangelho segundo João (1.35-42), irmão de Simão Pedro e um dos apóstolos mais próximos de Cristo. André era um pescador, que ao se encontrar com Jesus, recebeu a promessa de que se tornaria um pescador de homens. O último registro de seu nome na Bíblia, fica em At 1.13.

A tradição conta que ele pregou o evangelho na Ásia Menor e Cítia, território que incluí as atuais Rússia, Ucrânia e Romênia. Segundo relatos, seu martírio teria sido numa cruz em forma de “X”, conhecida como cruz decussata, que ficou conhecida desde então como “cruz de Santo André”.

A vida do apóstolo André nos ensina um bom exemplo de como devemos agir em relação às Boas-Novas do Evangelho. Em João, lemos que ele era discípulo de João Batista, aquele que prepararou o caminho para o Messias, ou seja, André buscava a Deus e quando o Cristo veio, ele o reconheceu e o seguiu, não apenas seguiu, como também foi a seu irmão e contou a ele que Jesus era o Messias esperado, predito pelos profetas e por João Batista, a voz que clamava no deserto. Encontrando a Cristo, ele deixou tudo e o seguiu, indo com ele para onde quer que fosse e depois de sua ascensão, foi pregar o evangelho noutras terras, obedecendo ao
ide de Jesus.

Que assim como André, possamos ir até aos nossos, que muitas vezes é mais desafiador do que ir aos do mundo, e “achá-los” para Jesus, como André achou a Pedro, a quem Jesus escolheu para fundar a Igreja por meio dele. E achando os nossos, possamos achar os de fora também. Deus nos abençoe!

William de Almeida Santos