Homilia – Véspera de Ano Novo

Livro do Eclesiastes 3.1-3

Salmo 8

Apocalipse de São João 21.1-6a

Aclamação do Evangelho: Tu, Senhor, me cercas por trás e por diante e sobre mim
pões a mão. (Sl 139.5)

Evangelho s. São Mateus 25.31-46

Antífona: Ó Senhor, Senhor nosso, quão magnífico em toda a terra é o teu nome!

O Tempo é algo que delimita a nossa vida, nossas fases, nosso desenvolvimento, estipula os nossos planos e é um empecilho para compreendermos uma parte essencial do nosso Deus, sua eternidade e total independência do tempo que nos rege, ele, pelo contrário, é o Senhor do tempo. O tempo nos ajuda a ter esperança ou desacreditar dela, a curar feridas ou aprofundá-las, nossa relação com o tempo dependerá da nossa relação com o Senhor dele.

Talvez nunca matou-se o tempo como em nossos dias. A ansiedade, considerada o “mal do século” por muitos, é cada vez mais presente em nossa vida. A internet, que cada vez mais se aperfeiçoa e encurta distâncias e tempo, de certa forma, tem nos acostumado a uma agilidade  que não encontraremos em outros setores de nossa vida, como os transportes das grandes metrópoles ou os serviços públicos e privados. Essa agilidade não faz parte do aprendizado e é por isso que matamos tanto o tempo, matamos os dias que se encontram entre nós e nossos objetivos, matamos os dias esperando outros e, quando estes chegam, passamos por eles esperando ainda outros, e assim fazemos sempre, queremos nos tornar Senhores do tempo, mas esquecemos que dele somos servos, e o tempo delimita a nossa vida.

A nossa boa relação com o tempo dependerá exclusivamente da nossa relação com Deus, que além de Senhor do tempo, é Salvador e Mestre, ensinando-nos a contar nossos dias com sabedoria e a viver em cada um deles seu mal e seu bem.

Neste ano que se inicia, busque conhecer o Senhor do tempo e agradecer as graças que ele derrama sobre nós a cada dia, peça moderação para viver os dias que nos são dados, sem apenas passar por eles esperando outros, mas que a cada dia vivamos retirando o melhor que Deus nos dá, sua palavra, seu sustento, seu ar, suas provações, suas alegrias e consolo. Que o nosso Deus de misericórdia e eternidade, nos ensine a viver esperando somente a sua gloriosa vinda e nossa vida na eternidade, nos Novos Céus e Terra, e que todos os outros eventos de nossa vida venham com o nascer e pôr do Sol, e não pela ansiedade de nossos corações. Deus nos ajude. Amém.

William de Almeida Santos

Homilia vem do grego e significa “conversa de pai para filho”, na igreja primitiva constituía-se em um pequeno sermão de caráter explicativo, exortativo e exegético, explicando as escrituras de forma curta e objetiva. Era o momento em que o ministro se aproximava da congregação e os instruía, como um pai faz ao filho.

Liturgia – Véspera de Ano Novo – ano A

Sugestão de Celebração para o Ano Novo
Liturgia originalmente elaborada pelo Rev. Edson Cortásio Sardinha, Igreja Metodista de Vila Isabel, e revisada pelo autor do blog para o uso do HNC e das igrejas presbiterianas, a liturgia completa e original proposta pelo Rev. Edson, encontra-se em um link ao final da postagem.

Essa é uma sugestão para que você celebre o Ano Novo na igreja ou em sua casa. Leia a sugestão e planeje a melhor maneira de celebrar. Analise a realidade da sua igreja local e faça as adaptações necessárias. Boa celebração e Feliz Ano Novo! – Rev. Edson

(O = Oficiante C = Congregação = Todos L = Leitor M = Ministro)

Ritos Iniciais ou Liturgia da Acolhida

Processional – Uma pessoa entrará com um buquê de flores – ou flores em um cesto (se possível, fazer um buquê com vários tipos e cores de flores – representando a variedade de bênçãos do ano que passou). Fazer o processional ao som instrumental de um hino de ação de graças: hino n° 56.

O = Este buquê representa as bênçãos de Deus, recebidas por todos nós, durante o ano que termina. Mesmo em meio às lutas contemplamos a graça de Deus nos acolhendo e sustentando. Cada flor significa as bênçãos que o Senhor Jesus nos deu. Somos gratos/as. Louvamos o nome do Senhor, agora e para sempre. Terminamos este ano com hino de louvor e Ações de graças.

hino n° 61 – (61-AÇÕES DE GRAÇAS) slides. – (sugerimos o cântico abaixo, mas se desejar opte por outro, mas preserve a temática da gratidão). Enquanto canta-se a música, cada pessoa poderá receber uma flor, se isso ficar dispendioso para igreja, sugerimos que cada pessoa receba um marcador de Bíblia.

GRATIDÃO PELOS PROJETOS REALIZADOS EM 2013

ORAÇÃO
T = Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é teu. Teu, ó Senhor, é o reino; tu estás acima de tudo. A riqueza e a honra vêm de ti; tu dominas sobre todas as coisas. Nas tuas mãos estão a força e o poder para exaltar e dar força a todos. Agora, nosso Deus, damos-te graças, e louvamos o teu glorioso nome. (1 Crônicas 29:11-13).

CONFISSÃO

CHAMADA A CONFISSÃO

O = Jesus disse: “Arrependei-vos, pois é chegado o Reino de Deus”. Convertamo-nos de nossos pecados a Cristo, confessando-os com fé e certeza de perdão.

CANTO DE CONTRIÇÃO – hino n° 71 – (71-PERDÃO) – slides

REFLEXÃO E ORAÇÃO SILENCIOSA

ORAÇÃO COMUNITÁRIA

T = Senhor Deus, termina este ano e confessamos com sinceridade de coração. Recebemos muitas bênçãos, mas temos pecado contra Ti; temos feito muito mal na tua presença. Nós nos arrependemos. Tem misericórdia de nós por teu amor. Lava-nos de nossa culpa e purifica-nos de nossos pecados. Renova em nós um espírito reto neste novo ano e restaura a alegria de tua salvação em cada área de nossa vida. Pedimos por Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.

PALAVRA DA ESPERANÇA (ABSOLVIÇÃO)

O = Que o Pai das misericórdias nos purifique de nossos pecados, e restaure em nós a sua imagem para o louvor e glória de seu nome neste novo ano, por Cristo nosso Senhor.

C = Amém

CANTO DE REDENÇÃO – hino n° 49 – (49-SEMPRE VENCENDO) – slides

DECLARAÇÃO DE LOUVOR

O = Bendirei o Senhor o tempo todo!
C= Os meus lábios sempre o louvarão. (Salmos 34:1)

ORAÇÕES DE GRATIDÃO

Sugerimos que nesse momento cante-se o hino n° 63 – (63-AS MUITAS BÊNÇÃOS) – slides. Ao final de cada estrofe e refrão uma pessoa orará agradecendo a Deus por uma benção recebida.

ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO

O = Deem graças ao Senhor porque ele é bom;
C = o seu amor dura para sempre. Salmos 107.1.
T = Comemorarão a tua imensa bondade e celebrarão a tua justiça. Salmos 145.7.
O = Cantem ao Senhor com ações de graças; ao som da harpa façam música para o nosso Deus. Salmos 147.7.

OPORTUNIDADES: Coral / grupos/ duetos/ solo/ testemunhos.

Liturgia da Palavra

 COLETA DO DIA

O = O Senhor esteja convosco.

C= Seja também contigo.

O = Oremos […]

C = Amém.

PRIMEIRA LEITURA

O ou L =  A Palavra do Senhor conforme o Livro do Eclesiástes, capítulo 3, versos 1 ao 3.

(leitura)

O ou L = Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus.

SALMO – 8 ou cantado – (Salmo 8 – Saltério Reformado) slides ou ainda o cântico “O Jeová/Javé Senhor Nosso” – (Salmo 8 Ó Jeová Senhor nosso) – slides

GLÓRIA PATRI (hino n° 005) – (05-TRINDADE ADORADA) – slides

SEGUNDA LEITURA

O ou L = A Palavra do Senhor conforme o Livro Apocalipse de São João, capítulo 21, versos 1 ao 6a.

(leitura)

O ou L =  Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus

ACLAMAÇÃO DO EVANGELHO – hino n° 25 – (25-O CRIADOR DE TUDO) – slides

O =  Tu, Senhor, me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. (Sl 139.5)

O ou L = O Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo relato de São Mateus, apóstolo e evangelista, capítulo 25, versos 31 ao 46.

C = Glória ao Senhor agora e para sempre!

(Leitura do Evangelho)

O ou L = O Evangelho é o poder de Deus para Salvação.

C = Glória a Ti Senhor!

ORAÇÃO POR ILUMINAÇÃO (ao final desta oração segue-se a Oração Dominical caso não haja celebração da Ceia ou Batismo)

O = […] em nome de Jesus Cristo que nos ensinou a orar dizendo:

T = Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre, amém.

Palavra especial às crianças:
Antes do sermão, reúna as crianças no altar e converse com elas sobre o tema do culto, pergunte-as sobre o que gostariam de agradecer a Deus. Tenha um tempo de interação com elas, se possível apresente-as o tema do sermão. Ao final peça para que uma criança ore e em seguida ore por todas as crianças da Igreja.

SERMÃO

CANTO PRÓPRIO – hino n° 373 – (373-ANO NOVO) – slides

CONFISSÃO DE FÉ

Credo Apostólico

T = Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso Criador do Céu e da Terra.

Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém.

ORAÇÃO DOS FIÉIS – (caso não haja celebração da Ceia do Senhor ou do Santo Batismo, segue-se para os ritos finais).

MOMENTO DA PASSAGEM DO ANO: 23h50

INTERCESSÃO PELO NOVO ANO: Oração de joelhos/ assentados intercedendo pela passagem do ano: Oração individual / em pequenos grupos / em grupos familiares.

CONFRATERNIZAÇÃO ENTRE OS IRMÃOS: Feliz ano novo!

Liturgia dos Sacramentos

SAUDAÇÃO DA PAZ

O = A paz do Senhor seja sempre convosco!

C = Seja também contigo.

O = Saudemo-nos com a paz do Senhor.

CONVITE A AÇÃO DE GRAÇAS E OFERTÓRIO

O = Cumprirei os votos que te fiz, ó Deus;

C = A ti apresentarei minhas ofertas de gratidão. Salmos 56:12

M = O momento do ofertório representa nossa gratidão e louvor a Deus por tudo que Ele é e tem realizado em nossa vida. Simboliza também nossa oração e consagração. Com nossos dízimos e ofertas consagramos nosso trabalho, nossa família e nossa vida ao Senhor. A oferta do final do ano tem um forte simbolismo de Ação de Graças. Quantas bênçãos recebemos de Deus? Quão pouco agradecemos! Que nossa oferta e dízimos expressem esta gratidão pelo sustento e fidelidade do Senhor.

C = Louvarei o nome de Deus com cânticos e proclamarei sua grandeza com ações de graças.

CANTO DO OFERTÓRIO – hino n° 179 – (179-SAUDAÇÃO) – slides

CEIA DO SENHOR

O = Amados irmãos e irmãs, o Senhor Deus onipotente, nosso Pai Celestial, entregou Jesus Cristo, seu unigênito Filho, à morte de Cruz para a nossa redenção. E o Senhor, pela oferta de si mesmo, feita uma só vez, fez um sacrifício pleno, perfeito e suficiente pelos pecados de toda humanidade; e instituiu perpétua recordação de sua morte, ordenando-nos, em seu Evangelho, que a continuemos até a sua segunda vinda. Portanto, agradecidos, consagremo-nos a Deus em resposta ao seu amor.

LITANIA DE AÇÃO DE GRAÇAS:

M = Elevai os vossos corações.
C = Ao Senhor os elevamos.
M = Demos graças ao Senhor Nosso Deus.
C = Assim fazê-lo é digno e justo.
M = É verdadeiramente digno, justo e de nosso estrito dever que, em todos os tempos e lugares, te rendamos graças, ó Senhor, santo Pai, Onipotente e eterno Deus. Portanto, louvamos e engrandecemos o teu glorioso nome, exaltando-te sempre e
dizendo:
T = Santo, Santo, Santo, Senhor Deus onipotente. Os céus e a terra estão cheios da tua glória. Glória te seja dada, ó Senhor Altíssimo. Amém

ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO

M = Toda a glória seja a ti, ó Pai onipotente, Pai nosso Celestial! Obedientes à instituição de teu amado Filho, nosso Salvador Jesus Cristo, nós realizamos aqui, diante de tua divina majestade, o memorial que teu Filho nos mandou celebrar, tendo na lembrança sua bendita paixão e morte, sua poderosa ressurreição e ascensão, rendendo-te graças de todo coração pelos inumeráveis benefícios com que elas nos agraciam. E humildemente nós te suplicamos, ò Pai, que nos ouças com teu Filho Jesus Cristo, conceda-nos o Espírito Santo e, por tua infinita bondade, consagres os dons de pão e vinho para que, recebendo-os segundo a instituição de teu Filho, nós sejamos participantes do seu abençoado corpo e sangue, para todo o sempre. Amém.

ORAÇÃO DE HUMILDE ACESSO

T = Ó misericordioso Pai, nós humildemente te imploramos que nos santifiques com teu Espírito e abençoes as dádivas do Pão e Vinho, a fim de que o pão que vamos comer seja a comunhão do Corpo de Cristo e o Vinho que vamos beber seja a Comunhão do Sangue de Cristo. Concede-nos a graça de alcançar a unidade da fé e crescer em todas as coisas naquele que é o cabeça, Cristo, Nosso Senhor, a quem pertencem a honra, a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém.
MEMORIAL

M = Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.

CONVITE

M = A Mesa está preparada e o Senhor ressurreto e presente convosco nos convida para celebrarmos a sua ceia. Acheguemo-nos, pois, com fé.

CANTO DA COMUNHÃO E PÓS-COMUNHÃO – hino n° 345 – slides (345-O PÃO DO MUNDO) / hino n° 293 – slides (293-O DIA GLORIOSO)

Ritos Finais ou Liturgia de Despedida e Envio

 CANTO DE ENVIO – hino n° 375slides (375-O ANO VELHO)

ORAÇÃO FINAL

T = Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dá hoje. E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal; pois teu é o Reino, e o poder, e a glória para sempre. Amém.

A BÊNÇÃO

M = Louvemos ao Senhor.
T = Agradeçamos sempre a Deus.
M = Ide na paz de Cristo! Sede corajosos/as e fortes no testemunho do Evangelho entre todas as pessoas. Servi ao Senhor com a alegria.
T = No poder do Espírito Santo. Aleluia!

C = Quádruplo Amém

POSLÚDIO E RECESSIONAL – hino n° 374 – slides (374-SAUDANDO O ANO NOVO)

Liturgia extraída em parte da sugestão Sugestão de Celebração do Ano Novo do Rev. Edson Cortásio Sardinha e  do Manual do Culto – Ordem para o Culto Público, Rito 1 (Sociedade Pela Liturgia Reformada).

Homilia – I Domingo após o Natal

Livro do Profeta Isaías 63.7-9

Salmo 148

Epístola aos Hebreus 2.10-18

Aclamação do Evangelho: Que a paz que Cristo dá dirija vocês nas suas decisões,
pois foi para essa paz que Deus os chamou a fim de formarem um só corpo. E
sejam agradecidos. (Cl 3.15)

Evangelho s. São Mateus 2.13-23

Antífona: Louvem o nome do Senhor, porque só o seu nome é excelso; a sua majestade
é acima da terra e do céu. (Sl 148. 13)

Jesus fez-se carne e habitou entre nós e, como homem que tornou-se, participou dos sofrimentos comuns a humanidade ainda menino. Logo que nasceu despertou a fúria de Herodes, que de tamanha inveja e medo do Menino-Rei, ordenou que matassem todas as crianças de Belém e região. Seus pais, que recentemente haviam peregrinado para Belém por conta do recenseamento, agora deveriam rumar para uma terra estranha, que na cultura judaica representava opressão e um tempo amargo. No entanto, ali onde iniciou-se o êxodo dos filhos de Israel, Deus enviou seu Filho, para de lá chamá-lo e iniciar o último êxodo da humanidade rumo ao Reino de Deus, Jesus nos tirou das trevas e trouxe para a maravilhosa luz.

Na condução da história de Cristo, não o privando de sofrimento, Deus mostra o quanto nos ama e quer que reconheçamos que ele conduz a história com perfeição. Os sofrimentos fazem parte da caminhada cristã, o próprio Salvador não foi poupado dela [Hb 2.10], e isso fazia parte do mistério da encarnação, para que Deus fosse plenamente igual a nós [Hb.11-15], somente diferente quanto ao pecado. Bem como faz parte da vida da igreja, para que sejamos aperfeiçoados e contemos somente com a graça de Deus e sua esplendorosa forma de dirigir a nossa história.

Nesta passagem também destaca-se, mais uma vez, a figura de José, cuja nenhuma palavra foi registrada na Bíblia, mas sua atitude de estar sempre pronto a ouvir e escutar o Senhor é relatada de forma maravilhosa. Sendo bom servo de Deus, cuidando bem de sua família, a qual Deus tinha confiado em suas mãos, José se mostra totalmente confiante no senhor, zelando pela segurança de sua esposa Maria e de seu filho, Jesus Cristo, Filho do Deus altíssimo. No seio dessa família vemos união, amor e confiança em Deus. Uma família que se encontra na companhia de Deus, tudo vai bem, mesmo em meio às tribulações que não serão omitidas da vida terrena, com Deus tudo vai bem, pois sabemos que após a tristeza, o Egito, inicia-se o êxodo rumo a liberdade e alegria. Jesus é o nosso êxodo, ele é o exemplo maior de humanidade que temos, pois tornou-se igual a nós e comprou-nos como irmãos para Deus.

William de Almeida Santos

Homilia vem do grego e significa “conversa de pai para filho”, na igreja primitiva constituía em um pequeno sermão de caráter explicativo, exortativo e exegético, explicando as escrituras de forma curta e objetiva. Era o momento em que o ministro se aproximava da congregação e os instruía, como um pai faz ao filho.

Os Pequenos Mártires

Livro do Profeta Jeremias 31.15-17
Salmo 124
Apocalipse de São João 12.3-6

Aclamação do Evangelho: O Senhor Deus sente pesar quando vê morrerem os que
são fiéis a ele. (Sl 116.15)

Evangelho s. São Mateus 2.13-18

Antífona: Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste louvor. (Sl 8.2)

Deus enviou a Luz ao mundo, mas as trevas se incomodaram com a Luz e a rejeitaram, não apenas rejeitaram como também tentaram apagar a Luz de Deus e tentam até hoje quando perseguem a Santa Igreja de Cristo. Jesus ainda menino suscitou a ira do vaidoso Herodes, que iludido pelo magos, mandou matar a todos os meninos com idade abaixo de dois anos. Esses pequenos mártires, chamados também de santos inocentes ou pequenos inocentes, foram o prenúncio da luta das forças do bem contra o mal, luta incessante que ocorre a todo momento nas regiões celestes e também nos corações. Mas essa luta já possuí um vencedor, pois Herodes, embora tenha causado enorme dor e tenha cometido tamanho ato de crueldade, não obteve vitória contra a Luz. Assim a Igreja, embora perseguida e martirizada, é vencedora, pois o Vitorioso Menino-Deus conquistou essa vitória sobre a cruz, vencendo a morte. O consolo para os mártires e todos os que perdem a vida nessa batalha é saber que o Cristo vitorioso Reina sobre nós, e recebe de braços abertos os que sofrem na grande tribulação.

Esses inocentes tiveram suas vidas tiradas por um homem perverso, que de tamanha perversidade sabia que quando morresse ninguém prantearia por ele. Herodes, estando próximo de sua morte, mandou recolher todos os idosos e deu ordem para matá-los quando ele morresse, pois somente assim haveria pranto em cada lar da Judeia por ocasião de sua morte. Herodes foi um rei perverso, politicamente alcançou grandes feitos, no entanto era uma pessoa tremendamente infeliz e vaidosa, representação perfeita do mundo envolto de trevas.

Jesus porém é o oposto de Herodes. Jesus veio dar vida, veio trazer Luz. Seu Reino é um reino de justiça e igualdade, paz e prosperidade, os que são consolados por ele tem suas vidas transformadas, seguras no único e verdadeiro Rei.

O pranto derramado pelas mães israelitas naqueles dias só podia ser enxugado por Deus, somente ele pode nos livrar de tamanha crueldade do mundo de trevas, cujo ódio é tamanho à Luz que nem os inocentes de colo, donde Deus suscita força (Sl 8.2), são poupados dessa ira. Mas pior que a crueldade do homem é o juízo de Deus! E como filhos de sua justiça, devemos ter a certeza que os flagelos de Deus contra o mundo de trevas é muito pior do que as dores que o mundo causa a Igreja de Cristo. Esse mesmo Deus zeloso não cansa de enviar a Luz aos homens, pois por meio do Espírito Santo que habita no seio da Igreja, a Luz é difundida no mundo e aqueles que antes estavam em trevas, e até perseguiam a Luz, são lavados por Cristo e passam a fazer parte do Reino de Deus.

Que a vitória de Cristo contra as trevas já vencidas nos dê força para enfrentar a perseguição do mundo e a dor que ela nos causa, e que a certeza do Céu no faça permanecer firmes até ao fim. Pois Ele vem!

Culto Dominical – I Domingo de Natal – ano A

(A liturgia foi elaborada da forma mais completa possível podendo ser adaptada a realidade de cada comunidade local.)

Modelo de culto para o primeiro domingo após o natal – ano A.

(O = Oficiante C = Congregação = Todos L = Leitor M = Ministro)

Ritos Iniciais ou Liturgia da Acolhida

SINOS e/ou PRELÚDIO MUSICAL – O Tannenbaum

INTRÓITO CANTADO – hino n° 248  – (248-NO HUMILDE PRESÉPIO) – slides

SAUDAÇÃO INICIAL E AVISOS COMUNITÁRIOS

CANTO DE ENTRADA (PROCESSIONAL) – hino n° 24 – (24-CONVITE AO LOUVOR) – slides

SAUDAÇÃO TRINITÁRIA E VOTO

O = Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo

C = Amém.

O = Elevo meus olhos para os montes; de onde me virá o socorro?

C = O nosso socorro está em o nome do Senhor, criador dos céus e da terra.

SENTENÇA BÍBLICA PARA O TEMPO DO NATAL

O = Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.

C = O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade. E vimos sua glória, glória como do Unigênito do Pai.

DOXOLOGIA – hino n° 17 – (17-DEUS SEJA LOUVADO) – slides

COLETA INTRODUTÓRIA (oração em favor do culto)

CHAMADA À CONTRIÇÃO

SUMÁRIO DA LEI

O = Escutai o que diz o nosso Senhor Jesus Cristo: Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas.

O = Senhor, tem misericórdia de nós.

C = Cristo, tem misericórdia de nós.

O = Senhor, tem misericórdia de nós.

CANTO DE CONTRIÇÃO – hino n° 70 – (70-DESCANSO EM JESUS) – slides

CONFISSÃO PÚBLICA DE PECADOS

Confessamos a ti, ó Deus Todo-Poderoso, perante vós, nossos irmãos, e toda a companhia dos céus, que temos pecado excessivamente, contra ti, contra nosso próximo e contra nós mesmos, por nossas ações, por nossa omissão, em nossas palavras ou em nossos pensamentos; por nossa culpa, nossa própria culpa, nossa tão grande culpa. Rogamos-te, ó Deus, que nos conceda verdadeiro arrependimento e, por amor do teu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, perdoa-nos os pecados e dá-nos a graça de te servirmos com alegria, para a honra e glória do teu santo nome, amém.

CONFISSÃO INDIVIDUAL SILENCIOSA

ABSOLVIÇÃO

O = Nosso Deus de bondade e de misericórdia, que entregou o teu Filho para perdão de nossos pecados, promete-o aos que os confessarem com arrependimento e fé. Assim sendo, que o Senhor tenha misericórdia de vós, perdoe os vossos pecados e vos conduza para a vida eterna.

C = Amém.

CANTO DE REDENÇÃO – hino n° 249 – (249-NA MANJEDOURA) – slides

Liturgia da Palavra

 COLETA DO DIA

O = O Senhor esteja convosco.

C= Seja também contigo.

O = Oremos […]

C = Amém.

PRIMEIRA LEITURA

O ou L =  A Palavra do Senhor conforme o Livro do profeta Isaías, capítulo 63, versos 7 ao 9.

(leitura)

O ou L = Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus.

SALMO

148 (leitura em uníssono)

GLÓRIA PATRI (hino n° 005) – (05-TRINDADE ADORADA) – slides

SEGUNDA LEITURA

O ou L = A Palavra do Senhor conforme a Epístola aos Hebreus, capítulo 2, versos 10 ao 18.

(leitura)

O ou L =  Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus

ACLAMAÇÃO DO EVANGELHO – hino n° 244 – (244-A MENSAGEM DOS PASTORES) – slides

O ou L = O Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo relato de São Mateus, evangelista, capítulo 2, versos 13 ao 23.

C = Glória ao Senhor agora e para sempre!

(Leitura do Evangelho)

O ou L = O Evangelho é o poder de Deus para Salvação.

C = Glória a Ti Senhor!

ORAÇÃO POR ILUMINAÇÃO (ao final desta oração segue-se a Oração Dominical caso não haja celebração da Ceia ou Batismo)

O = […] em nome de Jesus Cristo que nos ensinou a orar dizendo:

T = Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre, amém.

SERMÃO

CANTO PRÓPRIO – hino n° 140 (140-JORNADA DO CRENTE) – slides

CONFISSÃO DE FÉ

Credo Apostólico

T = Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso Criador do Céu e da Terra.

Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém.

ORAÇÃO DOS FIÉIS – (caso não haja celebração da Ceia do Senhor ou do Santo Batismo, segue-se para os ritos finais).

Liturgia dos Sacramentos

SAUDAÇÃO DA PAZ

O = A paz do Senhor seja sempre convosco!

C = Seja também contigo.

O = Saudemo-nos com a paz do Senhor.

CONVITE A AÇÃO DE GRAÇAS E OFERTÓRIO – hino n° 61 – (61-AÇÕES DE GRAÇAS) – slides

DIÁLOGO E SURSUM CORDA

M = O Senhor esteja convosco.

C = E também contigo.

M = Elevemos os corações.

C = Ao Senhor os elevamos.

M = Damos graças ao Senhor nosso Deus.

C = Pois fazê-lo é justo e bom.

PREFÁCIO EUCARÍSTICO

M =  Pois tu entregaste teu único Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor, para se encarnar por nós; o qual, por obra do Espírito Santo, tornou-se verdadeiramente homem, nascido da virgem Maria, livre de mácula do pecado para que nos pudesse livrar do nosso próprio pecado. Portanto, com os Anjos e os Arcanjos, com os Patriarcas e os Profetas, com os Santos Apóstolos, os Mártires e os Doutores da Igreja, e com teus eleitos de todas as eras e lugares, unimos nossas vozes ao coro celestial, que não cessa de louvar teu nome, cantando:

T = Santo, santo, santo é o Senhor, Deus dos exércitos; toda a terra está cheia da tua glória. Ou pode ser cantado o hino n° 012 – (12-GLÓRIA À DEUS) – slides

M = Hosana nas alturas!

C = Bendito o que vem em nome do Senhor!

T = Hosana nas maiores alturas!

ANAMNESE

M = Toda a glória e ação de graças sejam dadas a ti, ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, pois tu, em tua terna misericórdia, enviaste teu único Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor, para sofrer a morte sobre a Cruz para a nossa redenção, oferecendo, de uma vez por todas, sacrifício perfeito e suficiente para o perdão de pecados de toda a humanidade. Graças de damos ainda  pois, estando à véspera de se entregar para a nossa salvação, o Senhor instituiu o Sacramento do Pão e do Vinho, para que celebrássemos a comunhão de seu Corpo e Sangue, em memória de seu sacrifício, o qual agora nos achegamos à tua Santa Mesa para celebrar.

A INSTITUIÇÃO, A FRAÇÃO DO PÃO E A CONSAGRAÇÃO DO CÁLICE.

M = Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, o partiu e disse: isto é o meu corpo, que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.

M= Por semelhante modo, depois de haver dado ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança em meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.

A EPÍCLISE

M = Envia sobre nós, Senhor, o teu Santo Espírito, e santifica estas ofertas de pão e vinho, de modo que ao participarmos da tua Santa Ceia, cumpra-se a tua bendita Palavra, e partilhemos verdadeiramente da comunhão do Corpo e do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O MISTÉRIO DA FÉ

M = Pois nisto consiste o mistério da nossa fé, o motivo da nossa esperança:

T = Todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos a morte e a ressurreição do Senhor, até que ele venha.

ORAÇÃO DO SENHOR

M = E confiados nesta fé, nós oramos como nosso Senhor nos ensinou, dizendo:

T = Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre, amém.

DOXOLOGIA FINAL E AMÉM

M = Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a ti, Deus Pai Todo-Poderoso, na unidade do Espírito Santo, sejam dadas toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.

C = Tríplice Amém

COMUNHÃO DO PÃO E DO CÁLICE

M = O pão que partimos é a comunhão do Corpo de Cristo.

C = Amém.

M = O cálice que abençoamos é a comunhão do Sangue de Cristo.

CANTOS DA COMUNHÃO E PÓS-COMUNHÃO – hino n° 344 – (344-A CEIA DO SENHOR) – Slides / hino n° 292  – (292-A VINDA DO SENHOR) – slides

ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS PELA COMUNHÃO

Ritos Finais ou Liturgia de Despedida e Envio

ORAÇÃO PASTORAL DE ENVIO E BÊNÇÃO

M = A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós. E assim abençoe-vos o Deus Todo-Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, hoje e por todo o sempre.

C = Tríplice Amém

CANTO DE ENVIO – Cântico de Simeão (Nunc Dimittis) – (Cântico de Simeão – Hinário Episcopal-HE) – slides

POSLÚDIO E RECESSIONAL – hino n° 128

O = Ide em paz, para serdes testemunhas de Jesus Cristo, e que o Senhor vos abençoe e vos acompanhe.

C= Graças a Deus! 

Liturgia extraída do Manual do Culto – Ordem para o Culto Público, Rito 1 (Sociedade Pela Liturgia Reformada).

João, Apóstolo e Evangelista

Gênesis 1.1-5, 26-31

Salmo 116.12-19

1° Epístola de São João 1.1-2.2

Aclamação do Evangelho: O evangelista João disse: Ainda há muitas outras coisas
que Jesus fez. Se todas elas fossem escritas, uma por uma, acho que nem no
mundo inteiro caberiam os livros que seriam escritos. (Jo 21.25)

Evangelho s. São João 21.20-25

Antífona: Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos. (Sl 116.15)

O Discípulo a quem Jesus amava
João, filho de Zebedeu, apóstolo e evangelista, é designado na Bíblia como o discípulo a quem Jesus amava. Tinha por irmão Tiago, conhecido como Tiago, o Maior, uma forma de diferencia-lo do outro Apóstolo do mesmo nome e do irmão do Senhor. Era pescador de profissão, consertava as redes de pesca ao lado de seu irmão. Provavelmente os dois eram sócios de André e Pedro, que também eram pescadores. Ao lado de Tiago, eram conhecidos como “filhos do Trovão”.
Os escritos de João nos mostram que tipo extraordinário de pessoa ele era. Ao longo dos anos vemos a evolução e aperfeiçoamento de sua linguagem e raciocínio exposto em seus escritos. Além do Evangelho, ele também escreveu três cartas e o Apocalipse, ou seja, uma revelação que lhe foi dada por Deus. O Evangelho de João é diferente dos outros, pois não se inicia com a narrativa do nascimento de Jesus, mas nos introduz às boas-novas falando do mistério que agora fora revelado em Cristo, a encarnação do Verbo, que estava com Deus e era Deus. O Evangelho segundo João tem várias histórias exclusivas as quais João relatou para que crêssemos que Jesus Cristo de Nazaré é o Messias, o Emanuel esperado, aquele que veio nos religar com o Pai. João deixa claro que há muitos outros feitos de Jesus que ficaram de fora de sua narrativa, e que nem todo o mundo poderia conter as maravilhas que Cristo realizou na Terra. (Jo 21.25).

Havia uma crença entre os discípulos e entre os cristãos primitivos de que João não passaria pela morte, por causa da resposta de Jesus à pergunta de Pedro (21.21-23). Sabendo disso, João ainda dá testemunho, desmistificando essa crença a seu respeito no capítulo 21. A tradição nos diz que pregou na região da Ásia Menor, especialmente em na cidade de Éfeso. Terminou seus dias na Ilha de Pátmos, onde “dormiu” no ano 103 d. C. Acretita-se que foi o único discípulo que não foi martirizado, tendo uma morte natural. Que a vida deste amado Apóstolo de Jesus, nos inspire a viver uma vida aceitável aos olhos de Deus, para que sejamos amados por Ele!

William de Almeida Santos

Estêvão, Diácono e Primeiro Mártir

2° Livro das Crônicas 24.17-22

Salmo 17.1-9,1

Atos 6.8-7.2a,51-60

Aclamação do Evangelho: Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça,
porque deles é o reino dos céus. (Mt 5.10)

Evangelho de São Mateus 23.34-39

Antífona: Eu te invoco, ó Deus, pois tu me respondes; inclina me os ouvidos e acode às
minhas palavras. (Sl 17.6)

Estêvão foi o primeiro mártir do cristianismo, por isso é chamado de Protomártir, que significa primeiro mártir. Vivia em Jerusalém e convivia com os 12 Apóstolos de Cristo. Foi também um dos primeiros a ser eleito diácono para desenvolver essa nova, providencial e piedosa função.
No segundo capítulo dos Atos dos Apóstolos, é possível notar o crescimento da Igreja, por esse motivo, o Espírito de Deus, recém enviado aos homens, toca os apóstolos para a necessidade do diaconato na vida dessa nova comunidade, para que a caridade que Cristo tanto pregou não ficasse esquecida pelos cristãos. No capítulo 6 é conferimos as qualidades necessárias para desenvolver a função de diácono. São virtudes preciosas, as quais Estêvão possuía e por isso foi eleito para essa função tão importante para o ministério da Igreja de Cristo. Seu nome encabeça a lista dos diáconos eleitos naquela ocasião.
O versículo 8 nos mostra um pouco da personalidade de Estêvão, descrito como cheio de graça e poder do Espírito de Deus que nele habitava. Mais a frente, vemos que ele foi levado ao Sinédrio, uma espécie de tribunal da época, onde esteve diante dos sacerdotes e principais homens do povo judeu. Mesmo sendo caluniado por seus adversários, Estêvão não se calou diante deles, pelo contrário, evangelizou e deu testemunho daquele a quem ele servia. No versículo 51 do cap. 7 ele dá testemunho da causa da incredulidade de seus adversários, a dureza de coração e a falta do Espírito Santo de Deus, presença que Estêvão conhecia e desfrutava com veracidade de vida. Mesmo diante da reação dos homens que o perseguiam, Estêvão continuou a evangelizar, agora através de uma visão do trono de Deus nos céus. Ao ouvirem seu relato, seus inimigos ficaram enfurecidos e o lançaram para fora da cidade, onde seria apedrejado. Foi jogado aos pés de Saulo, que viria a se tornar Paulo, o Apóstolo dos gentios. Com certeza a postura de Estêvão influenciou o ministério de Paulo.
A vida de Estêvão é de nos fazer corar perante o Senhor, ele foi um homem integro, reto de coração e temente a Deus, seu testemunho é para fortalecer a toda a Igreja em todas as eras. Com palavras semelhantes às de Jesus, Estêvão pede para que Deus o receba. Que a vida de Estêvão nos encoraje e nos envergonhe de nossas ações.

William de Almeida Santos

Homilia – Natal

Livro do Profeta Isaías 9.2-7

Salmo 96

Epístola de São Paulo a S. Tito 2.11-14

Aclamação do Evangelho: O profeta Isaías diz: Um menino nos nasceu, um filho se
nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso
Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. (Is 9.6)

Evangelho s. São Lucas 2.1-14(15-20)

 

Antífona:

Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor todas as terras. (Sl 96.1)

 

Um menino nos nasceu, um filho se nos deu… Jesus nos foi dado, a preciosidade do universo, Filho Unigênito de Deus, foi-nos dado para conquistar tudo para nós, inimigos de Deus, homens maus, que estavam cegos em meio as trevas. Jesus Cristo é maravilhoso, a mensagem do Natal sempre deixa os homens boquiabertos! Como é intrigante para nós o próprio Deus ter-se feito homem, carne como a nossa carne, que sente dor, que morre e ter habitado entre nós, humanidade caída, carente de socorro, cheia de dureza de coração. Ele que é tão grande, cuja grandeza não pode ser expressa por esta palavra, fez-se pequenino e frágil, para tornar-se Rei e cumprir a perfeita Lei de Deus, pois somente Ele poderia nos reconciliar com o Pai, ele que é o próprio Deus.

A mensagem do Natal é universal, dever de cada cristão e direito de cada homem que anda nas trevas. Assim fizeram os anjos anunciando aos pastores e o Senhor, guiando os sábios magos. A humanidade precisa de Luz, chama para por fim a cegueira que a faz topar em tudo quanto é obstáculo, vida para se dedicar as boas obras de Deus, graça para receber a salvação, Jesus, para alimentar-se de toda água viva e pão do céu. Somente no Menino-Deus dado para nós encontramos todas essas dádivas de Deus, somente através dele que é a Luz do mundo, encontramos vida e vida em abundância.

Nós, comprados por ele, somos luz também, pois ele habita em nós e está no meio da Igreja, portadora da Luz no mundo em trevas. Precisamos ser como o Pequeno na manjedoura e levar sua Luz a todos os que estiverem ao nosso alcance!

Viva o Senhor e seu Reino, viva a Jesus e sua salvação, viva o Verbo Divino de Deus, Emanuel, Deus Conosco, pois agora temos vida e podemos nos achegar a Deus e contemplá-lo na beleza de sua santidade!

Feliz Natal.

William de Almeida Santos

Homilia vem do grego e significa “conversa de pai para filho”, na igreja primitiva constituía em um pequeno sermão de caráter explicativo, exortativo e exegético, explicando as escrituras de forma curta e objetiva. Era o momento em que o ministro se aproximava da congregação e os instruía, como um pai faz ao filho.

Homilia – Noite de Natal

Livro do Profeta Isaías 11.1-9

Salmo 96

Epístola de São Paulo aos Gálatas 4.4-7

Aclamação do Evangelho: O anjo disse aos pastores: Hoje vos nasceu, na cidade de
Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. (Lc 2.11)

Evangelho s. São Lucas 2.1-7

Antífona:

Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todas as terras. – [Sl 96.1]

Como é magnífico olhar para a Palavra de Deus e enxergar suas promessas sendo cumpridas! A vinda de Cristo, enfaixado por sua mãe e colocado numa manjedoura, é cumprimento da mais maravilhosa promessa de Deus. Ele veio ao mundo para reinar, julgar os povo com equidade e dar vida ao que estava morto em delitos e pecados. Vivemos a alegria de conhecê-lo e saber que seu reino de justiça dura a cada ano desde seu nascimento na manjedoura. Nós, povos longínquos que estávamos em trevas, agora conhecemos e ouvimos as boas-novas da salvação, o Espírito Santo de Deus se faz presente na Terra, em cada coração alcançado pela Luz de Cristo. Fomos mais do que agraciados naquela noite, recebemos ali a manifestação do Reino dos Céus, o próprio Rei se fez carne e estava entre nós, e permanece conosco por obra do Espírito Santo.

Jesus é o presente maior que alguém pode receber no Natal, suas promessas de consolo, paz, justiça, salvação e eternidade são ofertadas de graça para todos os que estão cansados e se encontram doentes, para todos os que ainda estão sem a Luz do mundo, para todos os que vivem no império das trevas e escravos do pecado. Agora, somos filhos do Pai das Luzes, Jesus nos retirou das trevas e nos trouxe para a mais maravilhosa luz.

Vivenciar Cristo, é participar da glória de seu reino, é desfrutar da liberdade de todo o mal e da plenitude da luz para nos guiar no caminho, Jesus é a Luz do mundo!

Feliz Natal!

 

Homilia vem do grego e significa “conversa de pai para filho”, na igreja primitiva constituía em um pequeno sermão de caráter explicativo, exortativo e exegético, explicando as escrituras de forma curta e objetiva. Era o momento em que o ministro se aproximava da congregação e os instruía, como um pai faz ao filho.

Liturgia de Natal – ano A

(A liturgia foi elaborada da forma mais completa possível podendo ser adaptada a realidade de cada comunidade local.)

Modelo de culto para o quarto domingo do Advento – ano A.

(O = Oficiante C = Congregação = Todos L = Leitor M = Ministro)

Ritos Iniciais ou Liturgia da Acolhida

SINOS e/ou PRELÚDIO MUSICAL – Glória a Deus nas Alturas

INTRÓITO CANTADO – hino n° 237-a – (237A-A LINDA ESTRELA) – slides

SAUDAÇÃO INICIAL E AVISOS COMUNITÁRIOS

CANTO DE ENTRADA (PROCESSIONAL) – hino n° 245 – (245-HOMENS SÁBIOS E DE BEM) -slides

SAUDAÇÃO TRINITÁRIA E VOTO

O = Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo

C = Amém.

O = Elevo meus olhos para os montes; de onde me virá o socorro?

C = O nosso socorro está em o nome do Senhor, criador dos céus e da terra.

SENTENÇA BÍBLICA PARA O TEMPO DO NATAL

O = Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.

C = O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade. E vimos sua glória, glória como do Unigênito do Pai.

DOXOLOGIA – hino n° 20 – (20-GLORIFICAÇÃO A TRINDADE) -slides

COLETA INTRODUTÓRIA (oração em favor do culto)

CHAMADA À CONTRIÇÃO

SUMÁRIO DA LEI

O = Escutai o que diz o nosso Senhor Jesus Cristo: Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas.

O = Senhor, tem misericórdia de nós.

C = Cristo, tem misericórdia de nós.

O = Senhor, tem misericórdia de nós.

CANTO DE CONTRIÇÃO – hino n° 68 – (68-NECESSIDADE) – slides

CONFISSÃO PÚBLICA DE PECADOS

Confessamos a ti, ó Deus Todo-Poderoso, perante vós, nossos irmãos, e toda a companhia dos céus, que temos pecado excessivamente, contra ti, contra nosso próximo e contra nós mesmos, por nossas ações, por nossa omissão, em nossas palavras ou em nossos pensamentos; por nossa culpa, nossa própria culpa, nossa tão grande culpa. Rogamos-te, ó Deus, que nos conceda verdadeiro arrependimento e, por amor do teu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, perdoa-nos os pecados e dá-nos a graça de te servirmos com alegria, para a honra e glória do teu santo nome, amém.

CONFISSÃO INDIVIDUAL SILENCIOSA

ABSOLVIÇÃO

O = Nosso Deus de bondade e de misericórdia, que entregou o teu Filho para perdão de nossos pecados, promete-o aos que os confessarem com arrependimento e fé. Assim sendo, que o Senhor tenha misericórdia de vós, perdoe os vossos pecados e vos conduza para a vida eterna.

C = Amém.

CANTO DE REDENÇÃO – hino n° 242 – (242-OS ANJOS E O NATAL) – slides

Liturgia da Palavra

 COLETA DO DIA

O = O Senhor esteja convosco.

C= Seja também contigo.

O = Oremos […]

C = Amém.

PRIMEIRA LEITURA

O ou L =  A Palavra do Senhor conforme o Livro do profeta Isaías, capítulo 9, versos 2 ao 7.

(leitura)

O ou L = Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus.

SALMO

96 (leitura em uníssono)

GLÓRIA PATRI (hino n° 005) – (05-TRINDADE ADORADA) – slides

SEGUNDA LEITURA

O ou L = A Palavra do Senhor conforme a Epístola de São Paulo a S. Tito, capítulo 2, versos 11 ao 14.

(leitura)

O ou L =  Palavra do Senhor.

C = Graças a Deus

ACLAMAÇÃO DO EVANGELHO – hino n° 288 – (288-A MENSAGEM REAL) – slides

O ou L = O Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo relato de São Lucas, evangelista, capítulo 2, versos 1 ao 14.

C = Glória ao Senhor agora e para sempre!

(Leitura do Evangelho)

O ou L = O Evangelho é o poder de Deus para Salvação.

C = Glória a Ti Senhor!

ORAÇÃO POR ILUMINAÇÃO (ao final desta oração segue-se a Oração Dominical caso não haja celebração da Ceia ou Batismo)

O = […] em nome de Jesus Cristo que nos ensinou a orar dizendo:

T = Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre, amém.

SERMÃO

CANTO PRÓPRIO – hino n° 241 – (241-O NASCIMENTO DE JESUS) – slides

CONFISSÃO DE FÉ

Credo Apostólico

T = Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso Criador do Céu e da Terra.

Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu e está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém.

ORAÇÃO DOS FIÉIS – (caso não haja celebração da Ceia do Senhor ou do Santo Batismo, segue-se para os ritos finais).

Liturgia dos Sacramentos

SAUDAÇÃO DA PAZ

O = A paz do Senhor seja sempre convosco!

C = Seja também contigo.

O = Saudemo-nos com a paz do Senhor.

CONVITE A AÇÃO DE GRAÇAS E OFERTÓRIO – hino n° 64 – (64-GRATA MEMÓRIA) – slides

Diálogo e Sursum Corda

M = O Senhor esteja convosco.

C = E também contigo.

M = Elevemos os corações.

C = Ao Senhor os elevamos.

M = Damos graças ao Senhor nosso Deus.

C = Pois fazê-lo é justo e bom.

PREFÁCIO EUCARÍSTICO

M =  Pois tu entregaste teu único Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor, para se encarnar por nós; o qual, por obra do Espírito Santo, tornou-se verdadeiramente homem, nascido da virgem Maria, livre de mácula do pecado para que nos pudesse livrar do nosso próprio pecado. Portanto, com os Anjos e os Arcanjos, com os Patriarcas e os Profetas, com os Santos Apóstolos, os Mártires e os Doutores da Igreja, e com teus eleitos de todas as eras e lugares, unimos nossas vozes ao coro celestial, que não cessa de louvar teu nome, cantando:

T = Santo, santo, santo é o Senhor, Deus dos exércitos; toda a terra está cheia da tua glória. Ou pode ser cantado o hino n° 012 – (12-GLÓRIA À DEUS) – slides

M = Hosana nas alturas!

C = Bendito o que vem em nome do Senhor!

T = Hosana nas maiores alturas!

ANAMNESE

M = Toda a glória e ação de graças sejam dadas a ti, ó Senhor, Deus Todo-Poderoso, pois tu, em tua terna misericórdia, enviaste teu único Filho, Jesus Cristo, Nosso Senhor, para sofrer a morte sobre a Cruz para a nossa redenção, oferecendo, de uma vez por todas, sacrifício perfeito e suficiente para o perdão de pecados de toda a humanidade. Graças de damos ainda  pois, estando à véspera de se entregar para a nossa salvação, o Senhor instituiu o Sacramento do Pão e do Vinho, para que celebrássemos a comunhão de seu Corpo e Sangue, em memória de seu sacrifício, o qual agora nos achegamos à tua Santa Mesa para celebrar.

A INSTITUIÇÃO, A FRAÇÃO DO PÃO E A CONSAGRAÇÃO DO CÁLICE.

M = Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, tendo dado graças, o partiu e disse: isto é o meu corpo, que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.

M= Por semelhante modo, depois de haver dado ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança em meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.

A EPÍCLISE

M = Envia sobre nós, Senhor, o teu Santo Espírito, e santifica estas ofertas de pão e vinho, de modo que ao participarmos da tua Santa Ceia, cumpra-se a tua bendita Palavra, e partilhemos verdadeiramente da comunhão do Corpo e do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O MISTÉRIO DA FÉ

M = Pois nisto consiste o mistério da nossa fé, o motivo da nossa esperança:

T = Todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos a morte e a ressurreição do Senhor, até que ele venha.

ORAÇÃO DO SENHOR

M = E confiados nesta fé, nós oramos como nosso Senhor nos ensinou, dizendo:

T = Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje. Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre, amém.

DOXOLOGIA FINAL E AMÉM

M = Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a ti, Deus Pai Todo-Poderoso, na unidade do Espírito Santo, sejam dadas toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.

C = Tríplice Amém.

COMUNHÃO DO PÃO E DO CÁLICE

M = O pão que partimos é a comunhão do Corpo de Cristo.

C = Amém.

M = O cálice que abençoamos é a comunhão do Sangue de Cristo.

CANTOS DA COMUNHÃO E PÓS-COMUNHÃO – Eu sou o Pão da Vida – (Eu Sou o Pão da Vida) – Slides / hino n° 291 – (291-TRIUNFANTE VEM) – slides

ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS PELA COMUNHÃO

Ritos Finais ou Liturgia de Despedida e Envio

ORAÇÃO PASTORAL DE ENVIO E BÊNÇÃO AARÔNICA (cantada)

C = Quádruplo Amém

CANTO DE ENVIO – Cântico de Simeão (Nunc Dimittis) – (Cântico de Simeão – Hinário Episcopal-HE) – slides

POSLÚDIO (Nunc Dimittis – Arvo Pärt) E RECESSIONAL

O = Ide em paz, para serdes testemunhas de Jesus Cristo, e que o Senhor vos abençoe e vos acompanhe.

C= Graças a Deus! 

Liturgia extraída do Manual do Culto – Ordem para o Culto Público, Rito 1 (Sociedade Pela Liturgia Reformada).